Pouco ExcitanteSatisfazExcitanteMuito ExcitanteSuper Excitante (No Ratings Yet)
Loading ... Loading ...
Heterosexuais — 06 August 2012
A nossa primeira vez.

Eu tinha 15 anos e já havia se passado seis anos que eu tinha mudado de estado, eu estudava no período da tarde no segundo colegial e era um cara rodeado de amigos e também de amigas algumas bem gostosas por sinal.

Mas entre todas uma me deixava louco de tesão, seu nome é Viviany, uma morena de estatura média, com uma bundinha normalzinha, ma com dois peitos que meu deus, enormes e durinhos. Eu e ela éramos da mesma sala vivíamos juntos ela vivia dizendo que eu era o melhor amigo dela, e eu morria de vontade de dar uns pegas nela, ela era virgem, mas tinha uma cara de safada que junto com os peitos me tiravam do sério.

Um dia antes do meu aniversário de 16 combinamos eu, ela e mais quatro amigos de darmos uma volta pelo centro da cidade, cinema Mcdonalds, matar aula e tal.

Ela morava perto da minha casa então ficou combinado que eu passaria lá pra gente encontrar a galera junto e foi o que eu fiz.

Passei lá por volta de 13h30min vestido de uniforme (meu pai me matava se soubesse que eu matava aula) ela estava no portão de camiseta branca com o umbiguinho de fora e calça jeans, o dia estava meio chuvoso e eu estava meio receoso de ir, mas ela insistiu que logo ia passar então fomos em direção ao ponto de ônibus.

Demorava uns 15 min. da casa dela até o ponto e fomos conversando, falando coisas normais do nosso dia a dia, até que ela veio e me perguntou:
– O que você quer ganhar de aniversário? E eu só de sacanagem, zoeira normal entre a gente falei:
– O que eu quero você não vai querer me dar. – isso era normal a gente falava de sacanagem direto, não só eu e ela, mas todo o grupo, mas nem por isso deixávamos de nos respeitar, pra minha sorte depois de algum tempo começou a cair um pé d’água violento daqueles que ninguém espera; aquelas chuvas que já começam fortes, ficamos encharcados e resolvemos voltar correndo pra casa dela (a rua dela não tinha asfalto sujei toda minha calça de lama).

Chegamos lá e pouco tempo depois a galera ligou pra casa dela pra remarcar o lance pro fim de semana( que eu me lembre isso foi numa quinta) já que eles nem tinham saído e com a chuva que encheu toda a rua dela( imaginem a lama) então fui obrigado a ficar na casa dela, só eu e ela( a mãe dela saia pra trabalhar de manhã e só voltava de noite).

Ela disse pra eu ficar lá enquanto a chuva passasse, ela foi buscar toalhas enquanto dizia que depois de almoçar a gente podia jogar alguma coisa, mas quando ela voltou com as toalhas meu pau virou um míssil, ela de frente pra mim com aquela camiseta branca molhada e o sutiã também era branco então naquela leve transparência dava pra ver os biquinhos daqueles peitões empinadinhos, fixei os olhos neles como se fossem as últimas coisas do mundo, quando ela perguntou:
-O que você perdeu ai? – e eu disse:
-Você ainda pergunta?- e ela jogando as toalhas no chão e se aproximando de mim disse:
Por que você não pega?
Não me contive e dei uma bela de uma buzinada nos dois peitos dela, apertei usando toda a mão.
Senti eles todinhos (com a mão tremendo que era uma beleza) ela fechou os olhos segurou meu rosto e começo a me beijar, um beijo bem molhado e gostoso, depois me jogou no sofá ficou sobre mim e continuou a me beijar loucamente, ela parou e perguntou se eu estava gostando e eu com certeza disse sim.
-Até hoje, estava guardando minha virgindade para um cara especial, mas até hoje só sai com safados e percebi que isso não existe, não queria dar pra qualquer um, mas morro de vontade de transar e você é meu amigo e o cara mais legal que eu conheço, então resolvi que meu presente pra você vai ser minha virgindade.
Cara com isso meu pau que já tava daquele jeito ficou altamente latejante, falei:
-Eu também nunca fiz. – ela perguntou: Você quer? – e eu respondi:
-Mais que tudo nessa vida.
Depois disso ela voltou a me beijar enquanto eu apalpava sem parar as tetinhas dela por cima da camiseta, nisso ela foi descendo, ficou de joelhos no chão puxou minha calça e minha cueca e pegou com tudo no meu pau e falou:
-Ta bem animado hein? – e começou a beijar como alguém que tem medo de errar em algo, eu adorei aquilo, aí ela apertou mais ele e começou a chupar com os olhos fechados, eu pirei nessa hora e disse: Tem umas camisinhas na carteira. – e ela falou que se era só pro boquete, não precisava já que eu era virgem também, meu pau nunca tinha ficado tão duro, enquanto ela chupava, eu acariciava os cabelos dela devagar, ela começou a bater uma pra mim (ela nem imaginava quantas vezes eu tinha feito aquilo pensando nela), olhava , lambia da base até a ponta apertando as bolas, depois de certo tempo parecia que ela já sabia muito bem o que estava fazendo, começou a chupar mexendo a cabeça pra frente e pra trás, a lamber só a cabecinha, a chupar a cabeça até fazer barulho, nossa tava muito bom, aí ela largou a boca que já tava um pouco melada e começou a ficar só na punheta, eu pirei, ela fazia muito rápido e apertado, depois de um tempo ela meteu a boca de novo e sem as mãos ficou chupando fazendo pra frente e pra trás olhando pra mim com meu pau na boca, eu não resisti e depois de uns 3 minutos gozei dentro da boca dela, eu não acreditei que aquele momento que eu tanto esperei tinha acabado tão rápido, fiquei com mó cara triste e ela levantou limpando a boca e disse:
Relaxa ouvi falar que a primeira vez é assim mesmo, enquanto ele levanta você pode ir usando meu corpo. – depois de falar ela desenrolou a camiseta até em cima dos peitos, tirou o sutiã e sentou em mim colocando os peitos na minha cara eu não fiz cerimônia, comecei a apertar o direito enquanto mamava o esquerdo.

Ela apoiou os joelhos no sofá e ficava forçando minha cabeça na direção dos seios, eles eram quentes e eu sentia o corpo dela tremer um pouquinho, apertava eles bem gostosinho, sem forçar demais e sem ser muito leve, troquei e comecei a mamar o direito, sugava bem forte, prendia o mamilo entre os dentes e começava a mexer com língua enquanto ela soltava gemidinhos apertava mais forte agora e brincava com os mamilos entre os dentes, ela suava bastante e gemia ela forçou mais minha cabeça nos peitos dela, nisso eu só fiquei mamando e apertando a bunda, fiquei uns 15 min. mamando como um louco, quando soltei as tetinhas dela estavam inchadas e vermelhas, eu disse:
-Agora eu quero sua cetinha. – e ela consentiu com a cabeça num sorriso safado, ela sentou de frente no sofá e começou a abrir a calça eu fiquei de joelhos e ajudei-a a tirar ela tava de calcinha rosa de algodão, sentei do lado dela e comecei a beija lá enquanto minha mão passeava na barriga dela, indo em direção ao umbigo e depois sobre a cetinha, a gente ficou se beijando enquanto eu meti meus dedinhos por debaixo da calcinha e comecei a acariciar lá, tava bem quente e molhada lá, ficava roçando em tudo, até que achei o grelinho dela e comecei a acariciá-la lá enquanto meu dedo do meio entrou na bocetinha, ela soltou um gemidinho
-Mad “gotoso”. – e começou a ficar mais molhada, eu parei de beijá-la e voltei a chupar o peito dela enquanto brincava com a cetinha dela bem rápido agora, chupava sem parar (porra fiquei três anos só olhando quando peguei não queria largar mais) chupava e mexia e ela gemia “vai , vai, ta muito bom, mais rápido”, rodava meu dedo que nem um louco no clitóris molhado dela, trocava de peito e ela acariciava minha cabeça sorrindo pra mim, ai ela pediu:
-Me chupa safado. – e eu não pensei duas vezes, me ajoelhei tirei a calcinha rosa dela (dei uma cheirada) coloquei as pernas dela nos meus ombros e comecei a beijar a cetinha dela enquanto enfiava o dedo devagar, lambia o grelinho gostoso dela, tava bem quente e bem salgadinho, sentia a respiração dela bem forte enquanto eu passa a língua por toda a cetinha dela, bem rosadinha e gostosa, comecei a chupar e quando fiz isso ela gemeu mais alto e falou pra eu não parar, eu comecei a chupar só o grelinho e percebi que ela ficava cada vez mais molhadinha, acariciava e chupava sem parar até que meu pau ficou durão novamente.

Tirei a roupa e peguei uma camisinha na minha carteira que estava mochila (daquelas que dão nessas campanhas de colégio), coloquei no meu pau enquanto ela ria, ela tirou a camiseta que ainda estava enrolada sobre seus seios e eu perguntei:
-Posso? – e ela falou dando um sorrisinho:
-Vai devagar pra não me machucar.
Ela deitada no sofá abriu bem as pernas, já eu segurei minha rola e fui encaixando nela devagar ia empurrando e sentindo a cetinha dela apertar meu pau, mesmo usando camisinha dava pra perceber que ela era bem quentinha e apertada, e enquanto eu a forçava fazia cara de que estava desconfortável, quando meu pau estava mais ou menos na metade não resisti e entrei com tudo, ela gritou um ”aiiiii” bem alto, nisso segurei nas coxas dela e comecei a meter, bem devagar, pois estava com medo de machucá-la, a sensação era ótima, cada vez q fazia o “pra frente e pra trás” sentia que abria a cetinha dela, comecei a meter mais rápido, ela começou a gemer bem gostoso, virava a cabeça para todos os lados, forçava os dentes nos lábios e suava bastante, eu perguntei se estava bem e ela disse para eu não parar, deslizei minhas mãos das coxas até a bunda dela enfiei meu pau todo na cetinha dela e deixei lá dentro, respirei um pouco , fiquei bem colado de pé na cetinha dela enquanto ela estava esparramada no sofá e comecei a meter com tudo de novo só que agora bem rápido mesmo, ela começou a gemer, mas dessa vez eu nem queria saber aumentei a velocidade até onde dava e comecei a gemer junto com ela, ela dizia” vai , vai, mete, mete, vai dói, mas to adorando” era como seu eu tivesse enlouquecido, tirei minha mão esquerda de baixo da bunda dela e comecei apertar a tetinha dela ai que ela ficou louca e começou a gemer mais auto.
-Ohhhhhh ahhhhhh humm hummm.
Eu estava adorando, nisso olhei pra baixo e vi que o pedaço da minha barriga que tava todo melado tava com um tom de vermelho, mas nem liguei tava muito bom, metia sem parar até que percebi que estava quase gozando, tirei meu pau de dentro, joguei a camisinha no chão, o sacudi um pouco e gozei na barriga dela, cara foi muito foda, nunca tinha gozado tanto quando ficava na punheta e nunca tinha saído tão quente, nisso ela sentou no sofá me puxou me abraçou e começou a me beijar, ela segurou minha mão e começou a chorar e eu perguntei o porquê, ela disse que estava com vergonha e eu disse para ela relaxar, ficamos uns 10 minutos no sofá nos beijando, quando ela disse que ia tomar banho para depois limpar a sujeira que a gente fez, ela pegou a toalha que tinha jogado no chão e foi pro banheiro e disse para eu ir limpando o chão e o sofá com uns lances que estavam na cozinha, mas só tinha se passado mais ou menos 2 horas desde que tínhamos chegado e eu não estava nem um pouco a fim de terminar naquela hora, limpei as coisas, e vesti minha cueca (claro que depois de passar um pano molhado no pau) e minha calça, ela voltou e passou na minha frente enrolada na toalha e entrou no quarto, e disse para eu esperar, mas não resisti depois de uns 5 min. entrei no quarto e peguei ela de calcinha, beijei ela e derrubei ela na cama, e fiquei uns 15 minutos sobre ela beijando sem parar, comecei a chupar seus seios de novo quando ela falou:
-Você gostou deles hein? – e eu só dei um sorrisinho ai ela disse que ia faze um lance que eu ia adorar.

Deixou-me sentado na cama e ficou de joelhos, colocou meu pau, duro como sempre no meio dos peitos e começou a fazer uma espanhola, cara…, queria morrer ali, era tudo que eu sempre quis, ela apertou bem aquelas tetas no meu pau e começou a mexer sem dó, perguntei como ela sabia que eu ia gostar daquilo e ela disse que viu em um filme pornô, eu comecei a rir e ela a mexer mais rápido e às vezes soltando e chupando meu pau toda feliz com cara de safada, ela se deitou do meu lado e disse que queria saber como ela ser metida de quatro, ai eu disse que só tinha um jeito de saber, fiquei de joelhos na cama e ela também só que com o corpo bem esticado pra frente, ou seja, de quatro, dessa vez não enrolei muito, corri na sala peguei a última camisinha que tava na carteira e comecei a meter, encaixei de vez o pau na cetinha dela quando ela disse:
-Vai safado me fode todinha. – pirei e segurando o quadril dela comecei a meter bem fundo, ela dessa vez tava sorrindo e soltando gemidinhos mais safados, eu metia sem parar, socava com toda força, ela disse que eu era um menino mal e começou a pedir mais chorando novamente, perguntei o que tinha acontecido e ela disse para eu nem pensar em parar de meter nela, e foi isso que eu fiz, estava muito gostoso meter eu gemia e ela também dizendo que era uma puta muito safada e que eu estava castigando ela, dizia que ia me matar se eu parasse de meter nela e eu castiguei mesmo, falei para ela ficar roçando o grelinho enquanto eu metia nela e ela fez mesmo, cada vez metia mais forte nela e ela não parava de gemer e de se tocar, ai ela disse para eu colocar no rabinho dela para fazer o serviço completo, nem me fiz de rogado tirei a rola da cetinha meladinha e enfiei no cú com algum esforço, fui empurrando com força até entrar tudo, cada vez que eu a forçava gritava mais até que eu enfiei tudo e ela chorando falou:
-CHEGA! – só que eu não parei e comecei a meter bem devagar e fui aumentando, ela começou a gritar de dor falando que não queria mais, ai então eu tirei, pedi desculpas e voltei a meter na cetinha dela cada vez mais melada (ela não parou com a siririca enquanto eu metia no rabo dela) ela gemia feito louca e depois de uns minutos que eu tirei do cú dela deu vontade de gozar, tirei meu pau e ela disse para esperar, virou-se pra mim tirou a camisinha e começou a me chupar e apertar minhas bolas, não agüentei e despejei tudo na boca dela que engoliu tudo e ainda lambeu os lábios, e ficou de barriga pra cima e pediu para chupar ela por que ela ainda queria, metia a língua e comecei a chupar com tudo o grelo dela enquanto enfiava meu dedo dentro da cetinha dela, melei minha cara toda e depois de uns 5 minutos ela jorrou um jatinho na minha cara e amoleceu toda, a mina gozou na minha cara.

Depois disso ela se deitou sobre mim e ficamos abraçados um tempo, me arrumei ajudei ela a limpar a bagunça e fui embora porque a chuva tinha maneirado e ela tava com medo da mãe dela, ela pediu pra não falar nada e eu aceitei, mas o caralho que eu não ia falar pros brothers o que eu tinha feito.

Eu e ela nunca namoramos sério, às vezes quando tínhamos oportunidade sempre dávamos umazinha, mas nunca chegou a ser relacionamento sério, atualmente ela namora um cara, mas um dia desses a gente se encontrou e ela deu uma vacilada com o corno, mas essa fica pra próxima espero que tenham gostado

 

Contos Relacionados

Partilha

Acerca do Autor

MadGuy

(0) Comentarios

Add Comment Register

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>